Calvície: existe idade certa para começar a tratar?

Você, certamente, já ouviu a seguinte frase: “ primeira impressão é a que fica”, né?

Ela é proferida popularmente para corresponder a ideia de que os primeiros julgamentos feitos, também conhecidos como prejulgamentos, são, raramente, desfeitos.

De acordo com a consultora de imagem – e autora de livros – Patrícia Tucci, a imagem de um indivíduo é composto pela imagem, modo de falar e conteúdo do que ela profere.

Para ela, a aparência é o que mais chama atenção, assim, chegando a corresponder em cerca de 55%.

Sabendo disso, muitas pessoas passaram a cuidar – e muito! – da aparência física.

Dessa maneira, investem em roupas mais bonitas, tratam os dentes e a pele bem como os fios capilares.

No entanto, esse último autocuidado pode ser frustrante para quem sofre com a queda de cabelo.

Para isso acontecer, existem alguns motivos e um deles é a alopecia androgenética.

Mas será que a idade influencia na calvície? Se sim, existe idade para calvície? O que pode ser feito para tratar?

Caso queira saber mais, é só acompanhar a leitura! Vamos lá?

O que é alopecia androgenética (calvície)?

A alopecia androgenética é popularmente conhecida como calvície.

Embora seja muito associada a homens, principalmente, os que estão na faixa etária dos 40-50 anos, essa condição pode afetar mulheres e homens mais jovens.

Dessa maneira, não há idade para queda cabelo.

De fato, essa condição é mais comum no organismo masculino com uma idade mais madura.

Isso porque a calvície corresponde a queda capilar por fatores, principalmente, genéticos e hormonais.

No caso da calvície precoce, isso não é diferente.

Independentemente da idade e do gênero, a alopecia androgenética surge da mesma maneira.

Nesse processo, dois hormônios são bem evidenciados: a testosterona e a di-hidrotesterona.

Aliás, é por conta disso que a calvície é mais frequente no organismo masculino.

Mas como, de fato, a calvície surge?

Em nosso couro cabeludo, a testosterona, um hormônio andrógeno, é transformado em di-hidrotestestona, mais conhecido pela sigla DHT.

Essa conversão acontece por conta da presença e atividade de uma enzima: a 5-alfa-redutase.

A partir disso, os fios de cabelo passam por um processo chamado miniaturização que constitui no afinamento, clareamento e encurtamento deles.

Dessa maneira, os fios morrem, caem e não conseguem mais nascer novamente já que o folículo piloso, responsável pela produção e crescimento dos pelos, não consegue se regenerar.

Assim, começa o problema da calvície que, ao longo do tempo, evolui.

Fatores de risco para a queda de cabelo (calvície)

Existem muitos motivos para a queda de cabelo como: excesso de vitaminas no organismo (complexo A e B), uso de determinados medicamentos e problemas de saúde (covid, anemia e hipotireoidismo).

No caso da calvície, como citamos anteriormente, a queda de cabelo acontece por conta de uma alteração hormonal.

Entretanto, a alopecia androgenética é multifatorial.

Sendo assim, fatores externos podem contribuir para o surgimento dela tais quais:

  • Estresse em excesso
  • Hábitos alimentares nada saudáveis
  • Tabagismo

Embora não seja letal, essa condição atrapalha – e muito! – a vida de quem a tem.

Isso porque ela influencia diretamente na questão da autoestima visto que mexe na autoimagem.

Sendo assim, pode gerar problemas de comportamento e de relacionamento.

Tratamento para queda de cabelo

Atualmente, existem muitos métodos que podem ser utilizados para tratar a queda de cabelo.

Então, caso suspeite que você esteja passando por essa situação, procure, imediatamente, um médico dermatologista para obter o diagnóstico.

Assim, o profissional consultado poderá indicar e orientar o melhor tratamento para o seu caso.

Se for calvície, tenha em mente que, não há uma reversão, porém, os métodos podem e, geralmente, promovem resultados bem satisfatórios a longo prazo.

Para tratar a alopecia androgenética, algumas táticas podem ser utilizadas como:

  • Uso de perucas
  • Medicamentos tópicos (como cremes)
  • Realização de procedimentos estéticos

Além dessas estratégias, o tratamento para queda de cabelo também pode ser feito mediante o uso do remédio oral chamado Finasterida.

Para que serve Finasterida?

A Finasterida é um dos remédios mais utilizados para casos de alopecia androgenética.

Isso porque ele atua como um inibidor, ou seja, é responsável por bloquear a ação da enzima 5-alfa-redutase.

Agindo assim, a Finasterida evita a conversão da testosterona em di-hidrotestosterona que deixa de ser produzido na mesma quantidade.

Como consequência disso, os fios não passam pelo processo chamado miniaturização e não sofrem com a queda.

Embora seja bem tolerado pela maioria dos pacientes, a Finasterida pode provocar reações e efeitos colaterais durante o tratamento.

Os mais temidos são ligados ao desempenho sexual do homem: a diminuição da libido e a diminuição do volume ejaculado.

Geralmente, com a interrupção do tratamento, esses sintomas desaparecem.

Existe idade para calvície ser tratada com Finasterida?

Como citamos anteriormente, a calvície pode afetar jovens.

Quando isso acontece, ela é chamada de calvície precoce e também precisa ser tratada.

Aliás, quanto mais cedo começar com acompanhamento médico, melhor é. Assim, a alopecia androgenética não evolui tanto.

No caso da calvície precoce, a Finasterida pode ser utilizada.

No entanto, geralmente, somente para pacientes que tenham idade acima de 18 anos.

E aí, gostou do nosso artigo?

Você já usou Finasterida para queda de cabelo?

Escreva sua pergunta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.